logo |

Informação

    Página Inicial   >     Original    >     Texto Principal

    Dólar vai a R$ 5,68 com temor fiscal e fecha no maior nível desde 20 de maio

      O real teve novo dia de descolamento das principais moedas de países emergentes, com o crescente risco fiscal do Brasil voltando a incomodar os investidores. No final do dia, passou a lira turca, moeda que sofre um derretimento este mês, e teve o pior desempenho no mercado internacional, considerando uma lista de 34 moedas mais líquidas. O dólar acabou recuando ante divisas fortes e de emergentes como México, Chile, África do Sul e Colômbia. No mercado doméstico, fechou no maior nível desde 20 de maio, quando encostou em R$ 5,69.

      Profissionais das mesas de câmbio comentam que a inércia do governo na questão fiscal, sobretudo após o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, acusar a base do Planalto de obstruir o avanço das reformas, teve peso decisivo nesta terça-feira para a alta do dólar, dia marcado por fuga de ativos no exterior, em meio ao aumento de casos de covid-19 ao redor do mundo e a percepção de que um pacote de estímulos nos Estados Unidos só vem depois das eleições. A expectativa é que novidades concretas sobre o ajuste fiscal só virão depois das eleições em novembro.

      No fechamento, o dólar à vista terminou o dia em alta de 1,20%, cotado em R$ 5,6827. No mercado futuro, o dólar para novembro, que vence na sexta-feira, era cotado em alta de 1,05% às 17 horas, em R$ 5,6855.

      “As preocupações fiscais persistem e os preços vão variar a depender das ações do governo nesta área”, afirma a economista-chefe do Banco Ourinvest, Fernanda Consorte.

      Neste ambiente, o dólar pode ir de R$ 4,00 para mais de R$ 6,00, a depender de como fica a responsabilidade fiscal do governo. Para 2021, ela projeta a taxa entre R$ 4,80 e R$ 5,00, com o governo cedendo a certas pressões para mais gastos. “Vai ser difícil ver o governo 100% empenhado em compromisso fiscal.”

      A economista do Ourinvest observa que a taxa de câmbio, além de mostrar a relação de preços entre duas moedas, se tornou importante medida de risco. E o fato de o real ter se desvalorizado o dobro este ano quando comparado a outras moedas emergentes mostra que há fatores internos contribuindo para aumentar a percepção de risco do País. Entre estes fatores, o principal é o fiscal, disse ela em conversa com jornalistas. Por isso, a previsão é que a divisa dos EUA não volta tão cedo no Brasil ao nível pré-pandemia.

      O Bradesco (SA:BBDC4) também alertou nesta terça-feira para os riscos fiscais e vê um cenário de incerteza persistindo pela frente. “A situação das contas públicas ainda inspira cautela, já que existem riscos voluntários e involuntários de rompimento do teto dos gastos”, ressaltam os economistas do banco em relatório de revisão do cenário.

    LYNXMPEB3N06U_L.jpg

      O banco leva em conta que não haverá flexibilização do teto, postergação do estado de calamidade ou eventual extensão do auxílio emergencial fora do teto de gastos, mas observa que o clima de dúvidas vai prosseguir. Com isso, o dólar deve encerrar o ano em R$ 5,40.

      As mesas de câmbio monitoram também a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que começou nesta terça, e a dúvida é o que o BC vai falar dos riscos fiscais e da aceleração da inflação. O consenso no mercado é por manutenção dos juros e o interesse maior é ver como virá o comunicado final da reunião.

    Últimas notícias

    United Arab Emirates Dirham

    • United Arab Emirates Dirham
    • Australia Dollar
    • Canadian Dollar
    • Swiss Franc
    • Chinese Yuan
    • Danish Krone
    • Euro
    • British Pound
    • Hong Kong Dollar
    • Hungarian Forint
    • Japanese Yen
    • South Korean Won
    • Mexican Peso
    • Malaysian Ringgit
    • Norwegian Krone
    • New Zealand Dollar
    • Polish Zloty
    • Russian Ruble
    • Saudi Arabian Riyal
    • Swedish Krona
    • Singapore Dollar
    • Thai Baht
    • Turkish Lira
    • United States Dollar
    • South African Rand

    United States Dollar

    • United Arab Emirates Dirham
    • Australia Dollar
    • Canadian Dollar
    • Swiss Franc
    • Chinese Yuan
    • Danish Krone
    • Euro
    • British Pound
    • Hong Kong Dollar
    • Hungarian Forint
    • Japanese Yen
    • South Korean Won
    • Mexican Peso
    • Malaysian Ringgit
    • Norwegian Krone
    • New Zealand Dollar
    • Polish Zloty
    • Russian Ruble
    • Saudi Arabian Riyal
    • Swedish Krona
    • Singapore Dollar
    • Thai Baht
    • Turkish Lira
    • United States Dollar
    • South African Rand
    Taxa atual  :
    --
    Montante
    United Arab Emirates Dirham
    acessível
    -- United States Dollar
    Aviso de risco

    A Base de Dados do WikiFX provém das autoridades reguladoras oficiais, como a FCA, ASIC, etc. Todos os conteúdos publicados são baseados na justiça, objetividade e fato. O WikiFX não cobra taxas de RP, taxas de publicidade, taxas de classificação, taxas de limpeza de dados e outras taxas ilógicas. O WikiFX fará o possível para manter a consistência e a sincronização do banco de dados com fontes de dados oficiais, como autoridades regulatórias, mas não garante que os dados sejam atualizados de forma consistente.

    Dada a complexidade da indústria cambial, alguns corretores recebem licenças legais por meio de institutos de regulamentação fraudulentos. Caso os dados publicados pela WikiFX não estejam de acordo com o fato, clique em "Reclamações" e "Correção" para nos informar. Verificaremos imediatamente e divulgaremos os resultados.

    Os contratos de câmbio, metais preciosos e balcão (OTC) são produtos alavancados, que apresentam riscos elevados e podem levar a perdas de seu capital de investimento. Por favor, invista racionalmente.

    Nota especial, o conteúdo do site Wikifx é apenas para fins informativos e não deve ser interpretado como um conselho de investimento. O corretor Forex é escolhido pelo cliente. O cliente entende e leva em consideração que todos os riscos decorrentes da negociação Forex não são relevantes para o WikiFX, o cliente deve assumir total responsabilidade por suas consequências.